Arquivo da tag: Paquistão

Asia Bibi: petição pela revisão da sentença

Asia Bibi é cristã paquistanesa, condenada à morte por suposta blasfêmia contra Maomé ao se negar a converter ao Islã. O documentário Liberdade para Asia Bibi trouxe, porém, evidências de que duas testemunhas-chave — um clérigo muçulmano e o dono do lugar onde teria ocorrido a blasfêmia — não estavam presentes quando tudo teria ocorrido. Diante disso, surgiu um abaixo-assinado pedindo à suprema corte paquistanesa que reavalie o caso. A petição pode ser assinada em http://acem.citizengo.org/lt.php?c=1845&m=1914&nl=9&s=15d575eb3f128bec635b791ce826cad7&lid=28623&l=-http–www.citizengo.org/pt-pt/24385-liberdade-para-asia-bibi-nova-evidencia

Asia Bibi é cristã paquistanesa condenada por suposta blasfêmia ao negar converter-se ao Islã.
Asia Bibi é cristã paquistanesa condenada por suposta blasfêmia ao negar converter-se ao Islã.

Em 2009, Asia Bibi foi, junto com algumas muçulmanas, buscar água em um poço. As demais mulheres, temendo que uma não-muçulmana pudesse tornar “impura” a vasilha d’água, instaram-na a converter-se ao islamismo. A isso, Asia teria respondido: “Cristo morreu na cruz pelos pecados da humanidade. E Maomé, o que fez por vocês?” Isso foi suficiente para que o imã local a denunciasse por blasfêmia contra o profeta dos muçulmanos. No documentário, o próprio imã e o proprietário do poço, testemunhas contra Asia Bibi, reconhecem não ter presenciado o ocorrido.

Veja o trecho onde isso aparece:

A chamada “Lei da Blasfêmia”, que as autoridades paquistanesas usaram para condenar Asia Bibi, é baseada em uma interpretação rigorista do Corão, livro sagrado para os muçulmanos. Segundo essa lei, qualquer observação supostamente pejorativa feita contra Maomé deveria ser condenada com a morte. Isso é comumente usado contra adversários pessoais e minorias religiosas, como os cristãos, hindus e sikhs. Asia disse a seu advogado: “Tenho sido julgada por ser cristã. Creio em Deus e em seu enorme amor. Se o juiz me condenou à morte por amar a Deus, estarei orgulhosa de sacrificar minha vida por Ele”

Veja o texto do e-mail de divulgação enviado pela organização CitizenGo:

Olá, Leandro!

Você provavelmente já ouviu falar em Asia Bibi, a paquistanesa que está presa há cerca de cinco anos em razão de uma falsa acusação de blasfêmia.

Se você ainda não conhece a história dela, segue abaixo um breve relato:

Asia Bibi é uma cristã paquistanesa. É casada e mãe de cinco filhos. Em 2009, ela foi falsamente acusada de blasfêmia por ter bebido água de um poço que só podia ser utilizado por mulheres muçulmanas. Até hoje ela está presa e as últimas notícias que tivemos dela não são muito boas, pois sua saúde está muito debilitada.

O documentário Liberdade para Asia Bibi conseguiu uma nova evidência que pode ser usada a favor dela.

Leandro, assine a campanha para pedir à Suprema Corte do Paquistão que reconheça o filme Liberdade para Asia Bibi como evidência da inocência de Asia Bibi.

http://www.citizengo.org/pt-pt/24385-liberdade-para-asia-bibi-nova-evidencia

Basicamente, essa evidência mostra que uma das principais testemunhas no caso não estava presente quando a suposta blasfêmia ocorreu. Você pode conferir a evidência clicando aqui.

Tive a oportunidade de conhecer o marido dela, Ashiq, e uma das filhas durante o Congresso Todos Somos Nazarenos, organizado por CitizenGO, HazteOir.org e MasLibres.org em abril.

Foi um momento muito emocionante. Não pude deixar de me comover com a situação dessa família, que, como tantas outras, tem sido duramente perseguida apenas por sua fé. Além disso, espantou-me a perseverança e a determinação de pessoas que, mesmo com a dura perseguição que sofrem diariamente, permanecem firmes em suas convicções cristãs.

A libertação de Asia Bibi tornou-se uma das prioridades das nossas campanhas, porque sua situação representa a de milhares e milhares de cristãos que são perseguidos diariamente em todo mundo.

http://www.citizengo.org/pt-pt/24385-liberdade-para-asia-bibi-nova-evidencia

Leandro, conto com a sua colaboração nesta campanha.

Um forte abraço!

Guilherme Ferreira e toda a equipe de CitizenGO

Boletim de mártires 20/04/2015

Atualização: notícia de 28 cristãos etíopes mortos na Líbia.

Nos últimos dias, uma série de notícias sobre cristãos que sofrem por defender a fé. Hoje, na missa na Casa Santa Marta, o papa nos lembrou: “O Senhor desperta-nos com o testemunho dos santos, com o testemunho dos mártires, que todos os dias nos anunciam que a missão é caminhar no caminho de Jesus: anunciar o ano da graça.”

16/4: Parlamento Europeu exige que Turquia reconheça o genocídio armênio

Intelectuais armênios assassinados a 24 de abril de 1915 (Fonte: Wikimedia)
Intelectuais armênios assassinados a 24 de abril de 1915 (Fonte: Wikimedia)

O genocídio armênio, lembrado pelo papa no centésimo aniversário desse triste evento, foi objeto de declaração do parlamento da União Européia. O documento afirma que a Turquia deve “aproveitar a comemoração do centenário do genocídio armênio como uma oportunidade importante para prosseguir seus esforços —inclusive a desclassificação dos arquivos— por evidenciar o seu passado, reconhecendo o genocídio armênio e, desta maneira, abrir o caminho à uma verdadeira reconciliação entre os povos turco e armênio”. A Turquia, apesar das evidências históricas e das profundas mudanças promovidas pelo coronel Ataturk nos anos 1920, até hoje se recusa a reconhecer o crime contra a humanidade cometido pelo Império Turco-Otomano e pelo califado de então. O documento do Parlamento Europeu se segue a declarações do papa Francisco sobre esse genocídio e sobre outros massacres cometidos no século XX.

17/4: Congresso “Todos somos nazarenos”

Começou dia 17 em Madri o congresso Todos somos nazerenos. Um de seus objetivos é não deixar que o mundo esqueça o “genocídio cristão” atualmente em curso em diversas partes do mundo, mormente na África e na Ásia. “Nem um só minuto de esquecimento de quem sofre perseguição religiosa”, pediu Soledad Becerril. A situação é tão grave, lembra reportagem da ACI Digital, “que o observador permanente da Santa Sé ante as Nações Unidas, Dom Silvano Tomasi, pediu a intervenção armada para frear o chamado ‘Estado Islâmico'”.

A reportagem destaca ainda:

Sobre a perseguição no mundo, CitizenGo recorda alguns dados recentes que mostram o seu crescimento e ferocidade anticristã: “No último dia 2 de abril, um grupo fundamentalista matou 147 universitários no Quênia. Antes de realizarem a matança, os assassinos separaram os muçulmanos dos cristãos. Algumas testemunhas afirmam ter visto corpos decapitados. Lamentavelmente, essa é apenas a tragédia mais recente na Nigéria, outras ocorreram no Paquistão, na Líbia, na Síria ou no Iraque. As vítimas? Sempre as mesmas: os cristãos. Enquanto isso, o Ocidente parece continuar olhando para outra direção”.

E também:

“Devemos proteger os nossos irmãos e irmãs perseguidos, exilados, assassinados e decapitados. São nossos mártires. E são muito mais numerosos que nos primeiros séculos da Igreja (…) espero que a comunidade internacional não desvie seu olhar nem se mantenha calada e inerte perante esse crime inaceitável”.

Nesse ambiente, a cristã paquistanesa Asia Bibi – injustamente presa e condenada à pena capital – oferece-nos, desde o corredor da morte, uma demonstração de fé, firmeza e esperança. Assim ela escreveu na última Páscoa da Ressurreição:

“A Páscoa de Jesus Cristo nos dá um exemplo de paz e perdão. Todos temos de aprender do ensinamento e do sacrifício de Cristo, crucificado por nós. Perdoou a todos e todo o mal. Neste dia especial, peço para que todos os cristãos no Paquistão possam viver e orar em paz.”

17/4: Cemitérios cristãos vandalizados em Mosul e na Galiléia

Ruínas de Kafr Bir'Im, na Galiléia, aldeia cristã abandonada após a ocupação israelense. Foto: Anita/Flickr.
Ruínas de Kafr Bir’Im, na Galiléia, aldeia cristã abandonada após a ocupação israelense. Foto: Anita/Flickr.

Outra reportagem da mesma agência informa sobre o vandalismo realizado nos cemitérios de Mosul (Iraque, cidade ainda controlada pelo Estado Islâmico) e na Galiléia (sob controle israelense). Na primeira cidade, o vandalismo vem sendo realizado desde 2014, quando a cidade foi ocupada por fundamentalistas islâmicos. Na segunda, vem em seguida a uma série de vandalismos realizados por colonos extremistas judeus contra igrejas, mosteiros e cemitérios cristãos. A vila de Kafr Bir’Im, majoritariamente cristã, foi abandonada desde a ocupação israelense, e seus antigos habitantes e os descendentes deles estão proibidos de retornar.

17/4: Governo sírio dedica jardim a mártires do genocídio assírio

Na mesma onda de limpeza étnico-religiosa promovida pelos Jovens Turcos durante a Primeira Guerra Mundial, há cem anos, também cristãos siríacos (assírios) foram alvo de genocídio. O governo sírio, chefiado pelo alawita Bashar al Assad, denominou “Jardim dos mártires siríacos” um jardim no centro de Damasco, capital do país, celebrando o centenário do massacre de cristãos, sírios, assírios e caldeus na Anatólia, província do Império Turco-Otomano. Os cristãos e os alawitas estão entre os perseguidos pelo “Estado Islâmico”, que combate os governos da Síria e do Iraque.

18/4: Província paquistanesa limita aplicação da Lei da Blasfêmia

Apesar de não ter poder para alterar a Lei da Blasfêmia (que é usada para atacar as minorias religiosas e realizar vinganças pessoais no Paquistão, majoritariamente muçulmano), a província paquistanesa de Sindh determinou que os acusados passem primeiro por um exame psiquiátrico, que pode levar à atenuação da pena. A reportagem da Agência Fides informa:

Segundo Nasir Saeed, diretor da Ong “CLAAS”, a medida não representa uma mudança direta da lei sobre a blasfêmia. “É um passo significativo da parte do governo Sindh e ajudará a salvar vidas humanas e muitas vítimas inocentes”, visto que os vários casos, pois pessoas que sofrem de doença mental foram acusadas e consideradas blasfemas. A lei controversa continua “entre as causas principais de sofrimento dos cristãos e de outras minorias religiosas no Paquistão. Por isso é urgente fazer modificaçõese nesta lei”.
Saeed acrescenta numa nota enviada à Fides: “Gostaria que o governo Sindh fizesse mais um passo avante, adotando medidas que punem os que formulam falsas acusações de blasfêmia a fim de deter o abuso desta lei, usada para fazer vinganças pessoais”.

18/4: Professor cristão egípcio é afastado por mostrar vídeo contra o Estado Islâmico

O professor copta egípcio Yousif Aaman foi obrigado a abandonar, junto com sua família, o vilarejo natal, no Egito. Isso aconteceu após ele exibir, para cinco alunos, um vídeo em seu smartphone que acusava o chamado “Estado Islâmico” pelas atrocidades realizadas, como as execuções filmadas e divulgadas na internet. Segundo a Agência Fides, “isso foi o suficiente para despertar o ódio e as falsas acusações de islamistas da região, que obrigaram as autoridades locais a intervirem para restabelecer a calma, convocando para sexta-feira, 17 de abril, uma reunião de ‘reconciliação’ entre cristãos e muçulmanos, da qual participaram também imãs e sacerdotes da região.”

18/4: Tiroteio contra escola católica no Paquistão

Um estudante e dois seguranças ficaram feridos após terroristas abrirem fogo contra escola católica de ensino médio São Francisco, no distrito de Behar, província de Lahore, no Paquistão. “Este novo ataque testemunha a deterioração da situação dos cristãos no Paquistão e espalha ainda mais temor”, disse o advogado cristão Sardar Mushtaq Gill à agência Fides.

19/4: Cristãos etíopes mortos pelo Estado Islâmico na Líbia

Neste domingo, 19, o chamado “Estado Islâmico” divulgou vídeo do martírio de 28 cristãos etíopes na Líbia, 12 deles degolados em uma praia, 16 fuzilados no deserto. A Líbia se convulsiona em uma guerra civil desde que os EUA e as potências européias ajudaram grupos armados a derrubar o governo de Muammar Khadafi em 2011. Essa guerra civil proporcionou espaço para a ação de extremistas islâmicos (que agora se aliaram ao califado proclamado em territórios da Síria e do Iraque).

(Pintura em destaque: Jean-Léon Gérôme — A última prece dos mártires cristãos.)