Arquivo da tag: governo federal

IPEA divulga ambiguamente dados ambíguos

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), uma autarquia do governo federal, divulgou dados ambíguos sobre o mercado de trabalho: houve queda nas demissões de trabalhadores com carteira assinada, mas aumento expressivo dos “trabalhadores de aplicativos” (9,7% ao ano) – em outras palavras, há relativa estagnação da situação de ocupação dos trabalhadores, exceto pela crescente uberização. Até aí, é o trabalho normal do IPEA. O problema foi a forma enganosa de divulgar a informação: fotos de entregadores de aplicativos com a legenda “País registra maior retenção de trabalhadores no mercado formal”. Veja as postagens e tire suas próprias conclusões sobre a maneira de divulgar:

Infelizmente, é o mesmo instituto que tem tentado dar ares de necessidade imperiosa ao desmonte dos serviços públicos pelas propostas de emenda à Constituição enviadas pelo governo em nome da austeridade fiscal a qualquer custo. Antes, o IPEA fazia estudos sobre como fazer crescer e desenvolver o país.

Resumo diário 18/02/2020

Segue o resumo das notícias mais interessantes do dia:

Ataque contra cristãos em Burkina Faso

Uma igreja protestante foi atacada em Burkina Faso durante o culto dominical, anunciaram hoje as autoridades locais. 24 pessoas morreram, 18 foram feridas e outras ainda foram sequestradas por islamitas. O ataque ocorreu em Pansi, província de Yagha. Burkina Faso fica na fronteira da expansão do islamismo ao sul do Saara, região conhecida como Sahel. Militares estrangeiros, principalmente franceses, prestam auxílio ao governo local na luta contra os grupos jihadistas.

Petrobras tenta comprar funcionários para furar a greve

A Petrobras promete antecipar o pagamento do “prêmio de performance” para os funcionários que furarem a greve dos petroleiros, que já atinge mais de 120 unidades da empresa e conta com a adesão de mais de 21 mil trabalhadores. A greve atual, embora não afete a população brasileira – apenas a companhia, que se vê obrigada a contratar equipes de contingência. A Federeção Única dos Petroleiros (FUP) alerta, contudo, que as condições precárias de trabalho impostas pela empresa aos contratados emergencialmente colocam em risco a segurança e a integridade deles.

“As equipes de contingência estão desgastadas fisicamente, em um número pequeno, colocando em risco suas vidas, as instalações, o meio ambiente e as comunidades em torno das várias unidades operacionais. Estamos falando de praticamente bombas ambulantes, de grandes refinarias, plataformas, terminais que estão sim em uma condição crítica devido à intransigência e truculência dessa gestão que não quer negociar conosco absolutamente nada. Estão colocando em risco não somente o abastecimento do mercado nacional de derivados de petróleo, mas vidas humanas” , afirma Deyvid Bacelar

Presidência da República arquiva acusação contra Wajngarten sem nem sequer investigar

A Comissão de Ética Pública, da Presidência da República, arquivou sem investigar as acusações de que o chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) do governo Bolsonaro, Fábio Wajngarten, omitiu o conflito de interesses entre sua empresa e a atividade pública. Entre os serviços prestados pela empresa, chamada FW Comunicação, está o de verificar a transmissão de publicidade em redes de televisão, como a Record e a Band. O governo federal é um dos afetados por esse serviço, que é o modo como se verifica o cumprimento dos contratos de publicidade televisiva.

Governo impede o pagamento correto do salário de servidores

O MEC e o INSS, pelo menos, estão impedindo a progressão funcional prevista em lei para os servidores públicos que lá trabalham. Também está proibido o pagamento de adicional noturno e hora extra, por exemplo. Qualquer decisão que implique aumento de despesa está vedada por ofícios e memorandos circulares, mesmo contrariando a lei. O memorando circular do INSS alega restrição orçamentária.

(Imagem em destaque: soldados de comando antiterrorista das forças armadas de Burkina Faso recebem treinamento de primeiros socorros. Foto: US Army Africa.)

Dilma: ministérios continuam como estão

A presidente Dilma Rousseff afirmou, durante cerimônia de apresentação da aeronave KC-390, da Embraer, que não fará nenhuma reforma ministerial antes da votação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados. A declaração contraria todos os jornais de maior circulação e audiência, que davam como fato a “negociata” de cargos no governo em troca de apoio político — o que alimentava o discurso da oposição para enfraquecer o governo.

Disse Dilma:

O Palácio do Planalto não está pretendendo realizar qualquer reestruturação ministerial antes de qualquer processo de votação na Câmara. Nos não vamos mexer em nada.

E:

As especulações que fazem sobre ministérios, sobre mudanças no governo, são absolutamente isso que eu disse: especulações, sem base na verdade. Isso não é bom para o jornalismo, que cria no país um clima de instabilidade extremamente nocivo.

E criticou a atitude da grande mídia: “Isso tem ido desde a minha saúde até as mudanças no governo. Por favor, a gente tem quem se pautar por realismo. Realismo, notícias verídicas”.

As declarações de Dilma Rousseff, além de contrariarem as “notícias” que vêm sendo veiculadas, reforçam a afirmação de Michel Temer na carta “secreta” de dezembro: “A senhora, no segundo mandato, à última hora, não renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele era uma indicação minha.” Ou seja, não parece ser o costume desse governo a “compra de apoio com cargos”, embora muitos ocupantes de cargos sejam indicados pelos partidos políticos que o apoiam. Reforça-se a tese de que se trata de um governo de alianças, mais que de fisiologismo.

(Imagem em destaque: Presidenta Dilma Rousseff durante visita à aeronave KC-390 da Embraer. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

Bebês com microcefalia viram alvo de abortistas

Com a recente epidemia do vírus de Zika, e com a suspeita de que guarde relação com o aumento do número de casos de microcefalia registrados no Brasil desde o ano passado  (no entanto, há somente 17 casos confirmados da relação entre Zika e microcefalia), bebês com essa malformação viraram o novo alvo dos que querem a legalização do aborto. Para evitar um derrota se propusessem uma alteração na lei, resolveram procurar o poder judiciário.

O portal G1 divulgou ontem (2) e hoje (3) entrevistas concedidas por José Gomes Temporão (PSB-RJ), Débora Diniz e Drauzio Varella, todos favoráveis ao aborto. Na versão deles, haveria hipocrisia e machismo na proibição do aborto, que só atingiria as camadas mais pobres da população. Em outras palavras, querem permitir que bebês pobres ou com malformação possam ser abortados.

No entanto, querem evitar que a sociedade apresente sua opinião. Se propusessem uma lei ao Congresso Nacional, “jamais passaria”, disse Temporão. E justifica sua opinião abortista com a suposição de que “abortos ilegais são feitos todos os dias nas camadas mais ricas da sociedade”, excluindo qualquer apreciação moral do tema — alguém poderia argumentar, por exemplo, que roubos acontecem todos os dias, em praça pública, então não haveria porque proibir.

Além do Congresso Nacional, a opinião abortista também não encontra ecos no governo federal. “A presidente Dilma nunca falou sobre o assunto e nenhum dos ministros que me sucedeu tocou no tema”, afirmou Temporão. Resta a eles repetir o caminho que permitiu o aborto de bebês com anencefalia, isto é, fazer brotar do judiciário um alteração na legislação, ferindo a tripartição dos poderes.

Todos os citados estão de acordo em que a religião deveria ficar de fora da discussão, como se ela não fosse um aspecto legítimo, e mesmo uma parte constituinte da sociedade brasileira.

Opinião de Visão Católica

No fim das contas, não querem outra coisa, senão implementar políticas eugênicas, como as que fizeram sucesso na primeira metade do século XX, culminando no nazismo e no genocídio de judeus e ciganos, acompanhados de homossexuais e comunistas — mas agora em nome de um falso humanismo. Se não houvesse problema em matar um bebê com malformação, que problema haveria em matar uma pessoa já nascida, mas que precisa de cuidados especiais? E, no fim das contas, a outra ponta dessa corda é a eutanásia, que pretende legalizar o homicídio. Não é brincadeira, até mesmo as câmaras de gás eram consideradas uma forma “humana” de matar judeus.

(Foto em destaque: José Gomes Temporão. Fonte: Valter Campanato/ABr.)